Psicoterapia – O que é, como funciona.

Compartilhe esta Postagem.Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Psicoterapia – O que é, como funciona.

1 – Como sei se é o momento de procurar por uma psicoterapia?

São várias as situações que levam uma pessoa a buscar psicoterapia: mudanças radicais na vida, separação, perdas, angústias, depressão, doenças, crise no trabalho, conflitos nos relacionamentos, dúvidas existenciais, etc.

O sentimento de que tem um potencial subestimado, ou de se que poderia viver de uma forma mais leve e satisfatória, também pode ser uma razão para buscar ajuda profissional. Ou mesmo dificuldade de encarar certos desafios que surgiram, como uma promoção na empresa, abertura de um negócio, uma mudança de pais ou de cidade.

Contudo o sinal vermelho é quando não está se sentindo bem, por alguma razão, e esta sensação persiste ao longo de semanas e meses.

mulher terapia

terapia

2 – Qual a diferença entre conversar com um psicólogo e com um amigo?

São situações completamente diferentes. Além dos cinco anos de universidade e outros tantos de pós-graduações, (sim, no plural, pois na nossa área não paramos de estudar). O profissional com sua escuta diferenciada auxilia o paciente a entender como está conduzindo sua vida, como se colocou em determinadas situações a partir de suas atitudes, o que está fazendo para contribuir para a perpetuação de determinados padrões, com o objetivo de promover o autoconhecimento e fazer com que o paciente encontre soluções para suas questões.

É um facilitador para o autoconhecimento. Enquanto o amigo, ou uma pessoa que não seja da área pode ajudar sendo um “ombro amigo” para desabafo, um conselheiro, que pode ser muito benéfico também, mas são situações totalmente diferentes. Pois o amigo poderá dar opiniões muitas vezes parciais e pessoais com base na sua própria experiência ou naquilo que acredita.

3 – O psicólogo aconselha?

O profissional não aconselha. A não ser em casos bem específicos.  A função do profissional é ajudar o paciente a pensar sobre si, a acessar seus sentimentos, a promover o autoconhecimento, que é a base para autonomia. Se o psicólogo dá conselhos e diz que caminho seguir ele não está ajudando, mas sim contribuindo com a dependência. Lembrando que, dependendo da condição psíquica do paciente, é recomendado que haja um suporte maior por parte do profissional, como o ato de aconselhar.

4 – Como escolher um bom profissional?

Além da bagagem técnica, o principal indício que de você está diante de um bom profissional é perceber que ele está atento, e consegue compreender o que você está tentando transmitir. Não corta sua fala, não aconselha nem dá sugestões. Faz perguntas ou apontamentos pertinentes. Faz você pensar desde a primeira entrevista e te conta coisas sobre você que ainda não tinha se dado conta. É fundamental que você sinta que o profissional tem empatia.

5 – Porque o psicólogo as vezes fica em silêncio?

O paciente muitas vezes sente-se desconcertado e angustiado com o silêncio, que vem quando mais deseja uma resposta, um parecer. O silêncio pode ter várias funções, como propiciar a oportunidade de ouvir nossa própria voz, em um ambiente seguro. Parece estranho, mas quantas vezes nos damos essa oportunidade? Normalmente buscamos desenfreadamente coisas para fazer justamente para não entrar em contato com nós mesmos. O silêncio também é uma oportunidade para pensarmos em possibilidades, soluções para uma questão, chegarmos a nossas próprias conclusões ao invés de obter uma resposta pronta.

6 – Qual a diferença entre psicólogo, psicanalista e psiquiatra?

  1. O psiquiatra é um médico. Ele pode receitar medicamentos que, interferem na química cerebral com o objetivo de tratar os sintomas. No entanto ele pode detectar que para alguns casos específicos a medicação não é necessária.
  2. O psicanalista segue a psicanálise, método desenvolvido originalmente por Sigmund Freud que postula que muitas das nossas atitudes, comportamentos, emoções vem do inconsciente, um substrato da mente ao qual não temos acesso. O objetivo da psicanálise é tratar o sofrimento psíquico, por meio da palavra e assim trazer o inconsciente ao consciente.
  3. O psicólogo é formado em psicologia (cinco anos de graduação) e pode atuar tanto na clínica como em outros campos. Este profissional pode aplicar avaliações psicológicas (somente o psicólogo pode utilizar este instrumento) e realiza atendimentos psicoterápico, com base em uma abordagem escolhida por ele (psicanalítica, comportamental, fenomenológica, gestalt, analítica, etc.).

7 – Se sentir que preciso de ajuda, qual profissional devo procurar primeiro?

É recomendado que primeiro procure um psicólogo (a), que irá avaliar sua situação e indicar a necessidade ou não de procurar um psiquiatra. A razão é que talvez você não precise de medicação e com isso evita de se medicar desnecessariamente. Os medicamentos atuam nos sintomas mas não atuam na causa.

A medicação não ajuda a refletir, ter insights e se desenvolver emocionalmente. É muito comum obter resultados somente com a psicoterapia. Obviamente se houver necessidade, o profissional encaminhará o paciente para um psiquiatra para um tratamento conjunto.

8 – Como posso saber se a psicoterapia está surtindo efeito?

Para cada pessoa isso pode acontecer de formas diferentes. O objetivo da psicoterapia é evoluir psiquicamente. A partir da evolução psíquica, que anda junto com autoconhecimento, a pessoa fica mais consciente de si mesma e mais fortalecida, como consequência consegue encontrar soluções para os entraves, sair do círculo vicioso que se encontra e os relacionamentos ficam mais saudáveis. Cada um tem a capacidade de sentir este processo.

10 – Qual a diferença entre terapia e psicoterapia?

Nem toda terapia é psicoterapia. Terapia significa tratamento. Ou  seja, profissionais que trabalham com qualquer recurso que visa tratar pode ser considerado terapeuta. O psicoterapeuta necessariamente é um profissional da psicologia. O psicólogo para poder exercer atendimentos clínicos deve ter o número do CRP. Que é o Conselho Regional de Psicologia.

10 – Qual a melhor abordagem?

Não existe abordagem melhor ou pior. Cada profissional escolhe a abordagem que mais se identifica. As abordagens existentes foram criadas por grandes estudiosos, médicos e cientistas como fruto de muitas pesquisas, experimentos, atendimentos, acompanhamentos de pacientes. Grande parte destes perscursores viveram em épocas de grandes guerras e conflitos da humanidade, de modo que tiveram a oportunidade de trabalhar com seres humanos em diversas situações e condições.

O importante é que o paciente identifique o profissional como alguém que possa ajudá-lo, sinta-se bem e a vontade em sua presença e perceba-o como autoridade no assunto.

11 – E a história de que psicólogo é para “louco”?

Em pleno século 21 ainda existe preconceito em relação a psicoterapia. Isto já mudou muito e as pessoas vem percebendo cada vez mais a importância de cuidar da sua saúde emocional. É dever de todos nós profissionais ou não, disseminar a idéia da importancia da prevenção. Assim você poderá estar ajudando muitas pessoas. Coisa para “louco” é se deixar chegar ao ponto de surtar, se dopar de medicamentos, viver com medo, deprimido, com traumas. Isso sim!

12 – E os valores, fazer psicoterapia é caro?

Caro e barato são conceitos muito relativos. Caro é tudo aquilo que não vai retornar pra você, ou que não vale o investimento.

Qual o preço da sua autonomia, de viver bem consigo? De superar uma depressão ou conviver com um transtorno que até então parecia impossível?

Qual o preço de conseguir se melhorar seus relacionamentos, de superar obstáculos?

A psicoterapia é realmente um dos melhores investimentos que uma pessoa pode fazer em sí mesma. É se importar de verdade consigo. Não adianta investir somente em bens materiais enquanto o emocional está comprometido. É uma questão de analisar as prioridades! No valor da sessão está contemplado toda a experiência, conhecimento e investimento do profissional na sua profissão, na estrutura do local de trabalho.

Mas, o valor deve caber no seu bolso, para que não seja mais uma fonte de preocupação. Cada profissional pratica seu valor.

13 – Qual o prazo necessário para a psicoterapia surtir algum efeito?

Esta é uma pergunta muito comum. E, há o mito também de que é a longo prazo. Depende do que significa para você “surtir efeito”. Muitos pacientes percebem melhora em seu estado geral ou que estão evoluindo em uma questao específica em algumas semanas ou poucos meses. Varia da disponibilidade interna do paciente. Do quanto ele está realmente aberto, e da sua realidade psíquica no momento que inicia a psicoterapia. O paciente pode não ter sua questão resolvida em pouco tempo ou ser “curado” de algum mal estar de imediato. Mas, com os insights, e a possibilidade de enxergar a situação e a sí mesmo diferente já é um sinal que o tratamento está indo bem.

No entanto, não adianta ter pressa ou ansiedade para resolver suas questões no curto prazo. O nosso psiquísmo é complexo e, quanto tempo levamos para construir aquilo que somos atualmente? 20, 30, 40 anos ou mais? Então, não dá pra resolver em poucas sessões.

14 – Não tenho nenhuma questão mais séria, mas gostaria de melhorar minha inteligência emocional, e outros aspectos da minha vida, posso fazer psicoterapia?

Sim, com certeza. Pode fazer psicoterapia ou podemos pensar em um processo de coaching que trabalha com objetivos definidos, e é justamente para quem já conta com um equilíbrio tanto emocional quando nas demais áreas da sua vida. Para informações sobre coaching, veja esse link:http://www.autenticalab.com.br/coaching/

15 – Como funcionam os atendimentos?

Os atendimentos duram cinquenta minutos. Podem ser presenciais ou on line. A frequência necessária pode variar de acordo com a forma de trabalho e a abordagem. Eu trabalho com uma sessão semanal, mas caso haja necessidade sugiro uma frequência maior por um período. Meu consultório fica próximo ao metrô Ana Rosa. Atendo pela manhã, tardes ou noites, dependendo da disponibilidade da agenda.

Para maiores informações, proponho agendar uma entrevista inicial para nos conhecermos e para que eu veja como posso ajudar da melhor forma. Se quiser marcar, entre em contato pelo inbox do facebook da autentica lab ou envie um email para gisele@autenticalab.com.br que costumo respoder rápido.

Gisele Ventura Essoudry

Psicóloga e Coach

CRP 06118/106

 

Compartilhe esta Postagem.Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Leave a Reply